Diabetes animal: cuidados, sintomas e tratamento

Seu pet está acima do peso, bebe muita água, faz muito xixi e come o tempo todo? Fique alerta! Ele pode ter diabetes mellitus.

Mas você sabe o que é esta doença? A diabetes mellitus é uma afecção metabólica que pode ocorrer nos nossos pets em qualquer idade. Comumente, ela afeta animais entre 7 e 9 anos, mas os mais jovens não estão livres da doença. Por isso, fique atento aos sintomas!

Entendendo a doença

Todo animal tem uma concentração de glicose no sangue (glicemia) e quando há aumento dessa concentração no sangue, chamamos de hiperglicemia. Quando o animal está hiperglicêmico significa que ele não produz insulina suficiente para, por exemplo, carregar a glicose para dentro da célula.

Apesar da diabetes estar associada ao animal acima do peso, que come muitas vezes por dia sem se sentir saciado (e essa fome ocorre porque o sangue não chega 100% no sistema nervoso central, onde está o centro da saciedade), perda de peso excessivo também é um indício.

“A nutrição animal ainda está engatinhando e, por isso, acontecem erros. Toda alimentação dos pets deve ser prescrita por um profissional porque tudo tem caloria. Inclusive alimentos leves como frutas e legumes precisam ser administrados de forma coerente” ressaltou a Dra. Marcia.

Por isso, ao menor sinal de alteração, leve seu animal ao Médico Veterinário endocrinologista. Aqui no HPMV nós temos a Dra Marcia Dourado que atende nas duas unidades do Hospital.

Unidade Padre Miguel: Rua Professor Clemente Ferreira, 06.
Toda quinta-feira de 14h às 16h com hora marcada.

Unidade Campo Grande: Avenida Cesário de Melo, 3826
Toda terça e sexta de 8h às 20h por ordem de chegada.

Agende uma consulta! 3180-0154

Vamos ver agora alguns fatores que podem desencadear a doença:

  • Obesidade: favorece o aumento do colesterol e do triglicérides fazendo com que seu metabolismo gere novas moléculas de glicerol, precursores da glicose;
  • Destruição das células beta do pâncreas: causada pela ingestão de algum alimento que acarreta em uma pancreatite aguda;
  • Hiperlipidemia (alto nível de gordura no sangue) é causada por erro alimentar como: ração inadequada e petiscos excessivos;
  • Hiperadrenocorticismo (HAC): é a hiperfunção da glândula adrenal que promove alteração no metabolismo das gorduras, carboidratos e proteínas. A diabetes é uma consequência importante desta doença.

Raças pré-dispostas

Os cães de companhia de pequeno porte, que vivem em casa ou apartamento, são mais propensos a desenvolver a doença, tais como: Poodle, York Shire e Schnauzer. Este último já tem em sua origem a alteração metabólica da hiperlipidemia.

Apesar de cães destas raças terem uma pré-disposição maior, não significa que outras raças não possam desenvolver a doença e a melhor maneira de fugir da diabetes é se prevenindo. Exercícios são sempre indicados. Além de diminuir o gasto calórico, o animal que caminha diariamente bebe mais água, o que ajuda a eliminar o excesso de glicose no sangue. Mas a alimentação merece uma atenção especial.

marcia-equipe“É importante saber com o médico veterinário a melhor forma de alimentar seu pet, como por exemplo: dar uma ração de boa qualidade, seguir a orientação do rótulo quando não puder fazer o acompanhamento, não dar alimento em excesso e evitar petiscos industrializados, mesmo que alguns sejam diets” orientou a Dra. Marcia Dourado.

Tratamento

Se o seu pet tem diabetes, não se desespere, a doença tem tratamento que envolve insulina, dieta e controle de doenças simultâneas. Somente o Médico Veterinário pode escolher o tipo de insulina apropriado para o animal e é necessário que o pet seja reexaminado a cada 10 dias, inicialmente, para monitorar a resposta do organismo ao tratamento.

Precisando de um Médico Veterinário endocrinologista já sabe. Venha no Hospital Popular de Medicina Veterinária!

Marcia Dourado

CRMV/RJ 3353