Seu pet também precisa de cuidados no verão

O verão exige cuidados especiais não apenas para nós, humanos, como para nossos pets. Mesmo saudáveis eles podem sofrer com o calor.

Os raios solares e a exposição excessiva ao calor podem causar a intermação, que é o aumento exagerado de temperatura. Os sintomas são: náuseas, dificuldades respiratórias, prostração. Separamos algumas dicas para proteger seu pet na estação mais quente do ano.

Passeio

Evite o horário entre 10h e 16h, neste período a temperatura tende a estar mais alta. De qualquer forma, mesmo fora desse horário, o ideal é ser feito em locais sombreados, arborizados e com grama de piso.

Podemos fazer um teste com nosso próprio pé no chão: se queimar também vai queimar a pata do animal 😉

Cuidado com a água e banhos

É preciso manter o pet hidratado com água limpa, fresca e, de preferência, troque-a a cada 4 horas. Água de coco e suco de fruta – principalmente gelado – podem ser oferecidos, menos de uva e carambola pois são tóxicas para cães e gatos.

“Em época de calor intenso é preciso aumentar a frequência dos banhos, sem esquecer de colocar algodão nos ouvidos do animal para evitar otite ou alguma outra infecção. Um banho por semana é suficiente, a menos que o pet esteja em tratamento. Quando há exagero, o animal acaba perdendo a camada de proteção da pele o que acaba deixando-o vulnerável a algumas doenças, principalmente fungos”,  orientou a Dra. Angélica Santorom (CRMV-RJ 12856).

A tosa é recomendada para diminuir o comprimento dos pelos e aliviar o calor mas sem exageros pois sem a proteção mínima da pelagem, o animal pode sofrer queimaduras solares.

Protetor Solar

Se o pet costuma fazer passeios e tem pelo curto ou pelagem branca, é recomendado o uso de protetor solar específico para pets especialmente nos locais mais expostos ao sol, como: orelhas, focinhos e ao redor dos olhos. Caso não encontre, pode usar protetor para crianças ou peles sensíveis.

Atenção extra com animais de focinho curto

Os braquicefálicos (de focinho mais curto, como por exemplo: Bulldog, Shi-Tzu, Lhasa Apso e gatos Persas) necessitam de cuidados redobrados no verão. Por terem o focinho mais curto, o ar que eles inalam não resfria até chegar no pulmão e isso pode causar alteração respiratória. A Síndrome das vias aéreas braquicefálicas que é um conjunto de anormalidades na face, como: palato mais alongado e as narinas curtas e finas, dificultam a entrada de ar no nariz. Também é decorrente da Síndrome, dentre outras coisas, a intolerância ao exercício. Eles não podem em hipótese alguma passear no sol, o ideal é ficarem em ambiente refrigerado.

Em NENHUMA hipótese o pet fica sozinho no carro

Jamais deixe o pet sozinho no carro. Nem por “5 minutinhos”. Isso vale para qualquer época, não apenas no calor. A temperatura dentro de um carro pode subir até 5 graus em 15 minutos, independente de as janelas estarem abertas. O ar condicionado ligado também não muda a situação.

Fique atento aos sinais!

Se o pet ficar respirando mal, salivando muito, ofegante, prostrado (não se move, não faz quase nada) fique alerta!

A princípio, pode ser oferecido um descanso na sombra com água fresca para o pet. Se os sinais estiverem intensos, levo o animal o mais rápido possível para o veterinário.

Unidade Padre Miguel: Rua Professor Clemente Ferreira, 06.
Consulta clínica: Todos os dias, de 8h às 00h, por ordem de chegada.

Unidade Campo Grande: Avenida Cesário de Melo, 3826
Consulta clínica: Todos os dias, de 8h às 00h, por ordem de chegada.