Por que meu animal se coça tanto?

Doenças de Pele em Cachorro e Gato

A dermatologia é a área da Medicina Veterinária responsável pela prevenção, diagnóstico e tratamento das doenças de pele, pêlos e unhas. Também se incluem as doenças de ouvido.

 

As enfermidades dermatológicas são um dos principais motivos das consulta em medicina veterinária. Elas correspondem a um percentual de 25% a 30% do total das consultas realizadas.

 

Nós do HPMV, gostamos de reforçar os cuidados periódicos do seu amigo, como mostramos no nosso artigo sobre consulta clínica.  Isto é para manter a saúde do seu pet em dia.

 

Ajuda muito ter uma boa alimentação com uma ração de qualidade, consumir água limpa e fresca regularmente e estar com suas vacinas em dia.

 

Porém, quando surge algum tipo de problema, o mais correto é que o seu animal seja consultado por um de nossos especialistas, em qualquer unidade do HPMV, para que seja avaliado corretamente.

 

Pele do seu pet

A pele animal é o maior órgão do corpo, assim como na pele humana. Ela é dividida em três camadas:

 

  • Epiderme;
  • Derme;
  • Hipoderme.

 

Suas funções são diversas como, a termorregulação, a proteção, a produção de vitamina D. A saúde da pele está diretamente relacionada a alguns fatores importantes como: genética, nutrição, higiene da pele e entre outros.

 

Referente à proteção da pele de seu cão, ela possui 03 componentes de defesa e barreiras. São elas:

 

  • Químicas;
  • Físicas;
  • Microbiológicas.

 

Na maioria das vezes ao tratar um problema dermatológico, é utilizado o tratamento oral e o de uso tópico. Em alguns casos mais específicos,  tratamos somente com  a terapia tópica.

 

O tratamento tópico consiste na aplicação do produto terapêutico ou cosmético na pele, com o intuito de conseguir o alívio ou cura da patologia.

 

A indicação da terapia tópica pelos médicos veterinários aumenta a cada dia, pois atualmente há uma maior aceitação desse tipo de tratamento pelo tutor(a). Seja pela facilidade de uso ou pelas formulações específicas e benéficas.

 

Ela é importante no tratamento de profilaxia, também conhecidas como medidas preventivas, de muitas condições dermatológicas. 

 

Há várias formas de terapia e tratamento que estão disponíveis para o médico, como:

 

  • Shampoo;
  • Loção;
  • Spray;
  • Pomada;
  • Creme; 
  • Gel. 

 

A escolha varia de acordo com o caso clínico. 

Doenças Dermatológicas.

 

Como já foi dito, as doenças dermatológicas constituem um dos principais motivos de consulta em medicina veterinária.

 

A pele é a primeira barreira de defesa contra as agressões externas, ela representa um reflexo do estado de saúde do seu amigo.

 

As doenças podem ter múltiplas e com variadas origens, tais como:

 

  • Doenças parasitárias;
  • Alergias;
  • Patologias hormonais;
  • Alterações metabólicas;
  • Doenças auto-imunes;
  • Patologias genéticas;
  • Doenças oncológicas.

 

A prioridade do serviço de dermatologia do HPMV, é realizar o diagnóstico correto, para que seja possível dar o tratamento mais adequado para cada paciente. É por razões com essas que contamos com um médico veterinário especializado em Dermatologia. Nosso atendimento é realizado todos os dias, incluindo finais de semanas e feriados, durante 24 horas em todos os nossas 5 unidades.

 

Principais Doenças Dermatológicas:

 

Como os humanos, há doenças mais comuns que ocorrem no corpo, como uma alergia, gripe e etc. No seu amigo não é diferente.

 

Nós do HPMV separamos uma lista pensada especialmente para ajudar seu pet, e também você tutor(a) para analisar e identificar algo na pele de seu amigo, e trazer para uma consulta.

 

Alergia em animais

 

As alergias em animais é uma das doenças dermatológicas mais comuns. Principalmente porque as suas causas são diversas, muitas vezes estando presentes no ambiente em que seu animal vive.

 

Uma das mais comuns é a atopia, que ocorre quando o pet tem contato com algum alérgeno. Eles são os ácaros, os bolores ou pólens.

 

Neste caso começa pelo sistema respiratório podendo levar a reações dermatológicas. Elas vem acompanhadas de muita coceira no seu pet. É importante notar se ele está se coçando demais principalmente o rosto, pois é possível que ele esteja com alergia.

 

Dermatite Atópica:

 

Como foi dito no tópico acima, a reação alérgica é produzida quando o animal entra em contato com o alérgeno.

 

Já a Dermatite Atópica é causada habitualmente por três tipos de alérgenos: 

 

  • Os Pólens;
  • Os Ácaros;
  • Os Fungos.

 

Com uma frequência maior, a dermatite pode aparecer em animais jovens entre 01 e 03 anos, em ambos os sexos. Porém podem ser diagnosticadas com menos frequência em cachorros com menos de 08 meses de idade ou adultos com mais de 05 anos.

 

Em muitos casos trata-se de um problema sazonal que surge na primavera e desaparece no verão. Com o tempo, o animal pode ir piorando e os períodos de crise podem ser mais intensos e prolongados.

 

Observação: Algumas raças de cães são geneticamente mais predispostas do que outras a desenvolver reações alérgicas. Entre elas:

 

  • Boxer;
  • Dálmata;
  • Chow-chow;
  • Labrador e Golden Retriever;
  • Setter;
  • Pastor Alemão;
  • Sharpei;
  • Bulldog (inglês e francês);
  • Terriers (West Highland White Terrier, Yorkshire Terrier).

 

Sintomas:

 

A coceira é o sintoma mais característico, tanto em cães como em gatos. Como consequência do coçar intenso e persistente, podem surgir zonas com queda de pelo ou a pele do animal pode infestar-se com bactérias ou certos tipos de fungos que dão origem ao mau odor.

 

Além da coceira, há alguns sintomas que levam a suspeitar de uma dermatite atópica:

 

  • Vermelhidão no abdómen, axilas, rosto, orelhas e patas;
  • Aparecimento de pústulas (“bolhinhas de pus”) no abdómen;
  • Leves mordidas e lamber entre os dedos e região perianal;
  • Otites recorrentes;
  • Pele grossa e grisalha;
  • Pêlo escasso e sem brilho;
  • Falhas de pelo, arranhões e feridas devido ao coçar, lamber ou leves mordidas constantes.

 

Porque levar ao Dermatologista Veterinário?

 

Quando tem algo de errado com a pele do seu animal ou no comportamento dele, é crucial trazê-lo ao HPMV para uma consulta com o especialista. Durante o processo o Dermatologista irá realizar um exame completo do seu pet.

 

Tratamento adequado.

 

Antes de iniciar qualquer tratamento, é importante ter consciência que a alergia quase nunca se cura por completo. O objetivo é controlar os sintomas e diminuir a coceira do seu amigo, melhorando assim a sua qualidade de vida.

 

Não existe um único tratamento capaz de controlar por si só esta doença. Tem que recorrer a uma combinação de fármacos e imunoterapia.

 

A primeira medida consiste em evitar o alérgeno. Para evitar os pólens, é importante conhecer as plantas às quais o animal é alérgico e saber em que meses polinizam.

 

Durante este período, é importante que as as saídas com seu animal em zonas de vegetação abundante sejam diminuídas. Sobretudo em dias secos, quentes e com muito vento. 

 

Ainda assim, existem medidas úteis para minimizar o contato com ácaros:

 

  • Aspirar e retirar as almofadas da zona onde o animal passa mais tempo;
  • Usar produtos acaricidas para eliminar os ácaros das almofadas, sofás, mantas etc.;
  • Utilizar camas e colchões fabricados com materiais antialérgicos;
  • Ventilar e aspirar com frequência a zona onde o animal dorme.

 

Tratamento com fármacos:

 

Corticóides: Esses são os fármacos mais utilizados para tratar as dermatites alérgicas. Apesar de serem muito eficazes no controle da coceira, eles possuem muitos efeitos colaterais, podendo causar doenças metabólicas a longo prazo.

 

Anti-histamínicos: Têm demonstrado serem pouco eficazes no tratamento desta doença. Em muitas ocasiões é utilizado o seu efeito sedativo, que faz com que o animal fique mais tranquilo e tenha menos coceira.

 

Banhos com shampoo de tratamento: A pele dos animais que sofrem de dermatite atópica pode apresentar uma vermelhidão, crostas e perda de pêlo, bem como pústulas. O simples fato de dar banho no seu pet com água morna, já refresca a pele, trazendo alívio para ele.

 

Dietas Hipoalergênicas: Uma dieta equilibrada e de qualidade é vital para conservar as condições da pele. Muitos dos animais que sofrem de dermatite atópica, podem igualmente ter uma alergia a algum tipo de alimento.

 

Imunoterapia: É o único tratamento que atua especificamente contra o alérgeno e que pode conduzir a uma cura do seu animal.

 

Dermatite Alérgica (Picada de Pulga).

 

A pulga é o parasita mais frequente, tanto no cão como no gato. Elas se alimentam do sangue do animal que serve de seu hospedeiro. 

 

Por serem tão pequenas, elas não são fáceis de ver. Além disso, possuem uma grande capacidade de reprodução. As pulgas produzem mais de 100 ovos diários dos quais nascem larvas, que em poucas semanas se convertem em adultas.

 

A Dermatite Alérgica surge sobretudo na Primavera e Verão, apesar de poder ocorrer também nas outras épocas do ano.

 

Sintomas:

 

Os sinais clínicos surgem de formas diferentes no cão e no gato.

 

Os cães apresentam coceira intensa, que se manifesta sob a forma de morder, coçar e esfregar-se no chão. Também ocorre a perda de pêlo, pele avermelhada e por vezes, crostas na região lombar e na base da cauda. 

 

A dermatite pode estender-se às coxas e região do abdómen.

 

Os gatos podem lamber-se em exagero ou arrancar os próprios pêlos, apresentando falta de pêlo nos flancos e no dorso. Podem ainda desenvolver pequenas crostas vermelhas no dorso.

 

Nos casos mais crônicos, em consequência do auto traumatismo infringido, surge inflamação crônica, falha de pêlo, descamação e a pele pode mesmo tomar a cor negra e não voltar a surgir pêlos. Nas piores situações surgem focos de infeção bacteriana que exigem tratamento simultâneo com antibióticos.

 

Diagnóstico.

 

O diagnóstico baseia-se na observação da distribuição das lesões e observação de pulgas, ou fezes de pulgas.

 

Para comprovar o diagnóstico, existem provas que podem ser feitas, tais como teste de alergia intradérmicos ou no sangue.

 

Novamente, reforçamos a importância de realizar exames de forma periódica, pois como vimos os sintomas são muito parecidos com a Dermatite Atópica.

 

Tratamento da Dermatite Alérgica Picada de Pulga:

 

O objetivo principal é reduzir ao máximo o número de parasitas, e consecutivamente, o número de picadas de pulgas.

 

Para um adequado controle de pulgas, é importante ter em mente esses fatores. Portanto, o tratamento deve focar três pontos:

 

  • Eliminar as pulgas no animal;
  • Eliminar os elementos “invisíveis”: ovos e larvas;
  • Prevenir uma segunda infestação.

 

Sarna Demodécica:

 

É uma doença inflamatória de pele, não contagiosa. Esta doença resulta de uma proliferação anormal de um ácaro denominado Demodex canis. Pequenas populações desse ácaro habitam nos folículos de cães normais, e na grande maioria dos casos não causam problemas. 

 

Geralmente o sistema de defesas do seu animal, mantém o número de ácaros controlados, de tal forma que estes só se encontram em quantidades muito reduzidas na pele. 

 

Quando por algum motivo se perde esse controle, os ácaros têm liberdade para se reproduzirem e aumentarem em número expressivos, provocando alterações de pele evidentes.

 

Determinadas raças estão mais predispostas à Sarna Demodécica, tais como:

 

  • Collie;
  • Galgo Afegão;
  • Pastor Alemão;
  • Cocker Spaniel;
  • Doberman;
  • Dálmata;
  • Boxer;
  • Pointer;
  • Pug;
  • Bulldog.

 

Sintomas à se observar:

 

Demodicose localizada: Caracteriza-se por uma ou duas áreas com pouco pêlo, delimitadas, pequenas, avermelhadas, com ou sem crostas, pele espessa e escura. O animal geralmente não apresenta comichão.

 

Demodicose generalizada: É a forma mais grave da doença. Surge principalmente em animais de raça pura, com menos de um ano e meio de idade. As lesões são as mesmas da demodicose localizada, mas estão distribuídas por todo o corpo do animal. 

 

Diagnóstico específico:

 

As lesões de pele descritas anteriormente são comuns a diversos tipos de doenças. O diagnóstico terá de ser baseado, também na história clínica e no exame dermatológico completo. Desse modo conseguimos visualizar se a presença de ácaros de demodex está em número superior ao habitual.

 

Tratamento:

 

Na Demodécica localizada, a cura ocorre naturalmente na grande maioria dos cães, sem qualquer tratamento, podendo em alguns casos ser necessário realizar biópsias de pele. 

 

O tratamento da demodécica canina generalizada é de tempo prolongado. 

 

Deve-se realizar banhos terapêuticos 2 vezes por semana, e avaliar a presença ou não de ácaros com raspagens mensais. Geralmente a cura clínica, isto é, a ausência de lesões de pele é atingida entre 1 à 2 meses antes de se conseguir a cura da doença total da doença.

 

Otite no Cão e no Gato

 

 

O termo Otite refere-se à inflamação do ouvido, sendo muito comum o seu aparecimento. Ela pode ser classificada quanto a sua localização em externa, que é a mais comum, média e interna. Podendo afetar um ou ambos ouvidos.

 

As otites podem ser causadas por infecções bacterianas, como:

  • Infecções fúngicas;
  • Corpos estranhos (água durante o banho, pêlos);
  • Alergias (dermatite atópica ou hipersensibilidade alimentar);
  • Doenças hormonais;
  • Presença de ácaros (Demodex ou Otodectes cynotis)
  • Traumatismos;
  • Própria conformação auricular (tipo de orelha).

 

Quando a inflamação ocorre na parte externa e média do seu animal do ouvido do animal, ela pode dar origem a alterações mais graves tais como desorientação e o desequilíbrio.

 

Sintomas de Otite no seu pet

 

Normalmente os animais com Otite inclinam e sacodem a cabeça, coçam e sentem dor quando o tutor(a) ou ele mesmo encosta nas orelhas. 

 

Em casos avançados de Otite crônica podem surgir alterações nos ouvidos que podem ser irreversíveis. Para chegar á esse ponto, o pet precisa estar com a inflamação durante muitos meses. 

 

Diagnóstico veterinário

 

O diagnóstico da Otite externa é feito pelo médico veterinário, através do exame completo do canal auricular, através de um exame microscópico da secreção do ouvido.

 

Em alguns casos são necessários exames laboratoriais para determinar o agente infeccioso responsável pela otite, para assim realizar o tratamento mais adequado. 

 

Se o quadro for doloroso para o animal, por vezes, é necessário submetê-lo a uma tranquilização para melhor realização da abordagem diagnóstica.

 

Onde realizar o Tratamento Dermatológico do meu cachorro ou gato?

 

Nós do Hospital Popular de Medicina Veterinária (HPMV), possuímos Dermatologista. 

 

Temos 05 hospitais no Rio de Janeiro, com atendimento todos os dias, incluindo finais de semana e feriados, 24 horas por dia.